Tirullipa explora seu talento em várias modalidades de humor, dia 28, no Central

Publicado em 12 de maio de 2017 

Comemorando os 20 anos de carreira do comediante Tirullipa, o espetáculo Não sou o cara, mas sou filho dele promete tirar boas gargalhadas da plateia do Cine-Theatro Central. A apresentação será no dia 28 de maio, domingo, às 19h, e vai relembrar toda a história do artista.

 Tirullipa mostra todas as suas facetas ao reunir diversos estilos e recursos de humor: stand up comedy, piadas, paródias, causos, imitações, dublagens, música, figurino e muito mais. Indicado para todos os tipos de público, o espetáculo retrata tanto situações do nosso cotidiano quanto o atual momento econômico e político do país, além de apresentar as mais engraçadas imitações de personagens, cantores e celebridades.

 Os ingressos podem ser adquiridos nos seguintes pontos de venda: Shape Suplementos (Independência Shopping), Zine Cultural, Zé Kodak (Santa Cruz Shopping), All Sports (Shopping Jardim Norte) e na própria bilheteria do Central.

 

Trajetória

 O cearense Everson de Brito Silva começou a carreira humorística logo no início de sua adolescência, realizando imitações do pai, o consagrado Tiririca, além de outros palhaços dos circos que frequentava. Percebendo o talento do filho, que decorava as falas e os trejeitos, parodiava e incrementava os personagens com suas características próprias, a mãe, dona Regione, levou-o até o tio cantor, Lindon Johnson, que o apresentou à televisão. Através de uma gravação, o garoto foi parar no Programa do Gugu, impulsionando nacionalmente seu sucesso.

 Vendo seu reconhecimento aumentar, o garoto, que ainda imitava o pai e adotava o nome artístico de Tiririca Jr, decidiu que era chegado o momento de expandir seus horizontes, desenvolver seus múltiplos talentos e definir uma personalidade artística própria, desvinculada da sombra do pai famoso.

 No entanto, as dificuldades foram surgindo e Everson voltou ao Ceará. Aventurou-se como músico em uma banda chamada Mó Mentira. Em conjunto com o produtor Zé Everaldo, gravou um CD que foi fundamental para, após o encerramento do projeto da banda, encontrar os rapazes da Levada Sacana, cujo líder, Burica, proporcionou-lhe a oportunidade de se aprimorar como cantor. Batalhou com a banda no Mato Grosso do Sul, em busca da retomada da carreira, adquirindo conhecimentos importantes para a composição de suas paródias e desenvolvendo seus recursos vocais.

 De volta ao Ceará, Everson procurou a TV Diário, em busca de uma nova oportunidade para retomar a carreira no segmento humorístico. Foi reconduzido à televisão por Billy Bob, que lhe garantiu uma vaga de animador de plateia no programa de Ênio Carlos, grande revelador de novos talentos e líder de audiência da emissora. De animador, passou a fazer matérias humorísticas, até compor um quadro influenciado pela esposa, o Miss Catiroba. Da televisão, o quadro foi levado às pizzarias da capital cearense. Everson também se associou ao circo, surgindo então o Circo do Tirullipa.

 O conterrâneo Tom Cavalcante também resolveu apostar no talento de Tirullipa. Com o personagem Téo Beck, suas aparições na TV Record alavancaram seu prestígio ao longo de três anos. No entanto, a saída de Tom Cavalcante da emissora interferiu na continuidade do quadro. Em breve retorno à TV Diário, o diretor Henrique Mathias ofereceu-lhe a chance de um teste para o programa Domingão do Faustão, da Rede Globo. Mesmo perdendo a competição, foi contratado pela emissora. Após o sucesso no programa dominical, Tirullipa passou a viajar pelo Brasil apresentando o stand up Enchendo seu saco de risada.

Não sou o cara, mas sou filho dele

Dia 28 de maio, às 19h, no Cine-Theatro Central (Praça João Pessoa s/nº – Calçadão da Rua Halfeld – Centro – Juiz de Fora)

Classificação: Livre

Outras informações:

Bilheteria do Cine-Theatro Central – (32) 3215-1400

Adicionar a favoritos link permanente.